Taxa condominial: o que é e como investir

taxa condominial

As responsabilidades de um síndico são muitas, ainda mais quando falamos de dinheiro. Então, te fazemos uma pergunta:

Você sabe como aplicar a taxa condominial?

Quando você assume a gestão de um condomínio uma das grandes dificuldades que encontra pelo caminho são as contas. É preciso por em dia as despesas, ver o que deve ser feito de manutenção, pagar os salários, pagar a luz, a água, os seguranças. Em um primeiro momento, organizar todas essas finanças pode ser complicado, ainda mais quando você se pergunta: tá, mas de onde vou tirar dinheiro?

Alguns moradores reclamam, mas a taxa condominial é fundamental para o bom funcionamento e a saúde financeira de um prédio. Ela é um rateio que se faz, aprovado pelos próprio condôminos, para pagar todas as despesas de manutenção do prédio. De acordo com a Lei das Incorporações, a taxa condominial é cobrada de cada morador proporcionalmente à sua quota no edifício quando ela não estiver estipulada na convenção.

Veja abaixo algumas das aplicações da taxa condominial:

  • Pagar as contas de água e luz e manter os funcionário.
  • Gastos com a conservação e manutenção de elevadores, portões automáticos, interfone, gerador de energia e antena coletiva.
  • Compra de materiais de limpeza e de manutenção do condomínio
  • Pintura da fachada e cuidados com os equipamentos das áreas de lazer.

Sua principal destinação é garantir a continuidade e o bom funcionamento do condomínio no dia a dia, além garantir recursos para despesas imprevistas e emergenciais. Por isso, uma forma de gerir essa taxa é a criação de fundos de investimento, separando o dinheiro para as despesas diárias, obras no prédio, compras de equipamentos de segurança, pintura, modernização de áreas comuns. Essa é uma das maneiras de garantir boa aplicação dos recursos e evitar rateios extras no futuro.

Mas esteja atento! É preciso tomar cuidado na hora de investir a taxa condominial. Além da boa gestão desse recurso, o síndico precisa ser transparente e financeiramente responsável. Preste contas, guarde as notas fiscais, consulte os moradores antes de realizar um grande investimento, não deixe as contas principais de lado, não crie despesas desnecessárias e, principalmente, esteja aberto às críticas e reclamações.